Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade - ISSN: 2236-1499 - Uma Publicação do CESCAM - Centro de Estudos de Semiótica, Comunicação, Antropologia e Meio-Ambiente da América Meridional


Leia, clicando no ícone ou no título, o Artigo da Revista Diálogos N.° 1:

 O Concretismo Brasileiro e a Poesia Experimental Portuguesa, Cristina de F.L. Marques -d.o.i 10.13115/2236-1499.2007v1n1p16

Resumo: O surgimento do Concretismo no Brasil em fins da década de 50 marcou também o reconhecimento de um novo paradigma literário, que até então tinha passado despercebido das contextualizações críticas de análise do Modernismo brasileiro. Com o Concretismo a literatura passou a ter uma vertente de análise formalista que considerava a evolução das formas poéticas como parâmetro de inventividade artística e estética. Sob palavras de ordem como "está encerrado o ciclo histórico do verso" e a "forma comunica" os poetas do grupo Noigandres, num primeiro momento, tomando uma atitude mais radical para poder vencer uma luta por espaço comunicativo na literatura brasileira partiram para o confronto com a poesia versificada. Exposições, artigos de periódicos, entrevistas e happenings marcaram esse primeiro momento. Décio Pignatari escreveu: "A poesia concreta, indo além da aplicação do processo tal como foi praticado por Pound, introduz no ideograma o espaço como elemento substitutivo da estrutura poética: desse modo, cria-se uma nova realidade, espaço-temporal. O ritmo tradicional, linear, é destruído"("Poesia Concreta: Pequena Marcação Histórico-Formal"). Esse primeiro momento dos concretistas, foi denominado por Haroldo de Campos de a fase "áurea" ou "heróica" da poesia concreta , e houve inclusive uma discussão para se definir se os concretos paulistas haviam sido os primeiros a inventarem a poesia concreta ou se parte do mérito caberia ao suíço-boliviano Eugen Gomringer.

Palavras-chave: Concretisamo, Poesia Experimental, Noigandres, Haroldo de Campos, Eugen Gomringer.

Abstract: The emergence of Concretism in Brazil in the late 50s also marked the recognition of a new literary paradigm, which had hitherto gone unnoticed analysis of critical contextualization of Brazilian Modernism. With Concretism literature now has a strand of formalist analysis that considered the evolution of poetic forms as artistic inventiveness and aesthetic parameter. Under slogans such as "the historical cycle is closed verse" and the "form communicates" the poets of Noigandres, at first, taking a more radical attitude in order to win a fight by communicative space in Brazilian literature left for showdown with versified poetry. Exhibitions, journal articles, interviews and happenings marked this first time. Decius Pignatari wrote: "Concrete poetry, going beyond the application of the procedure that was practiced by Pound, introduces the ideogram space as substitutionary element of poetic structure:. Thereby creates a new reality, spatiotemporal Rhythm traditional, linear, is destroyed "(" Concrete Poetry: Small-Formal Marking History "). That first moment of concretists, was called by Haroldo de Campos of the phase "golden" or "heroic" concrete poetry, and there was even a discussion to determine whether the concrete Paulistas were the first to invent concrete poetry or part merit would be for the Swiss-Bolivian Eugen Gomringer.

 
Keywords: Concretisamo, Experimental Poetry, Noigandres, Haroldo de Campos, Eugen Gomringer

 

Autor:  Cristina Marques é professora doutora em Literatura pela FFLCH/USP e Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, professora da UNIP-SP

 

 

Capa/Sumário Diálogos N.° 1

 

 

Home Page da Revista

 

 

Normas de Submissão de Artigos